AÇÃO ANTITUMOR DO ARTEPILLIN-C

 

Por TETSUO KIMOTO
 

- Conselheiro do Laboratório de Bioquímica de Hayashibara

- Professor honorário da Universidade de Medicina de Kawasaki
 

Recentemente, com a observação do alcance dos limites da medicina ocidental – e em concordância com esta, a expectativa na medicina oriental e na medicina popular têm aumentado. O própolis – que tem sido usado como remédio popular desde remotos tempos na Europa, está despertando grande interesse.

Das já descobertas e reportadas substâncias bioativas na própolis, e dos resultados esclarecidos nas nossas pesquisas feitas até o momento sobre a atividade do macrófago e a ação bactericida, e nesta oportunidade limitando o foco no efeito antitumor, após análise do resultado de repetidos exames, obtivemos sucesso no isolamento da substancia - Artepillin C. Esta substância, além de possuir a capacidade de estimular a ação do macrófago, de sua ação bactericida, tem uma elevada capacidade de eliminar diversos tipos de células tumorais de culturas “in vitro” e células cancerígenas transplantadas em camundongos.

O Artepillin C utilizado nesta experiência provém do extrato alcoólico de própolis brasileira. Sua fórmula química e composição estrutural estão no desenho nº 1 anexo:

 
Desenho 1: Formula estrutural e quimica do Artepillin-C
coposição estrutural do artepillin C
 
Inicialmente, por ser insolúvel em água, adicionamos o Artepillin C dissolvido em etanol na solução de cultura mas, depois, desenvolvemos também um método para obter a solução aquosa que usamos atualmente.
 
1. Efeito inibidor do Artepillin C na multiplicação das células tumorais em cultura
 
Primeiro, como experimento fundamental, o Artepillin C foi adicionado nas células cancerígenas em cultura. Examinamos os efeitos desta ação.As células cancerosas preparadas foram:

1. Células de tumores malignos de origem humana (6 tipos: de câncer de pulmão; de câncer de estomago; de câncer de células do fígado); 2. Células de origem humana de leucemia e linfoma (4 tipos: de leucemia linfóide; de leucemia mielóide; de leucemia mielomonocitica); 3. Células originárias de ratazana (célula de cancer do fígado); 4. Células originárias de camundongo (3 tipos: de câncer de intestino; de melanoma maligno; de tumor maligno de fibroblasto) ; 5. Células normais (fibroblastos originários de camundongos).

Como resultado - Na maioria dos tumores acima mencionados foi demonstrada surpreendente ação inibidora na multiplicação de células tumorais com a aplicação de 10 a 100µg de Artepillin C (desenho 2 e foto 1). Na maioria dos casos, de 3 a 4 dias após a aplicação, as células tumorais foram extintas.

 
 
Foto 1: Efeito inibidor na multiplicação das células de cancer com o tratamento com Artepillin-C:

 

a) Após 24 horas sem o tratamento com
b) Após 24 horas com o tratamento com 100 µg
Artepillin C - células tumorais do pulmão
de Artepillin C - células tumorais do pulmão
origem humana.
- origem humana, com uma redução notável
 
das células tumorais.
d) Após 24 horas com o tratamento com 100 µg
c) Após 24 horas sem o tratamento com
de Artepillin C - células tumorais do estômago -
Artepillin C - células tumorais do estômago
origem humana, com uma redução notável das
- origem humana.
células tumorais.
 
 

Entretanto, mesmo reconhecendo que o efeito de eliminação das células tumorais tenha sido surpreendente, este efeito poderia causar danos também nas células sadias, e na prática não poderíamos utilizá-lo no corpo humano. Então, realizamos um teste comparativo para observar a influência do Artepillin C em células sadias, e como resultado observamos que quanto menor o ciclo da célula, maior é o efeito de eliminação de células.

Comparadas com células normais, as células tumorais que sofreram mutações têm como característica terem ciclos de multiplicação extremamente rápidos. Além disto, multiplicam-se indefinidamente. O Artepillin-C seletivamente elimina (ataque seletivo) células que repetidamente multiplicam-se em um curto período de tempo.

Para elucidar a razão desta seletividade, medimos a influencia que o Artepillin-C causa na obstrução da síntese do DNA que ocorre na divisão das células. Nas células tumorais que se multiplicam de forma surpreendentemente rápida, ficou claro que a síntese do DNA era obstruída.

Para exemplificar: a obstrução da síntese do DNA nas células de leucemia de origem humana, na concentração de 100µg/ml foi notável, mas foi ainda mais notável nas células de melanoma maligno de origem do camundongo. Ao passo que, nos fibroblastos normais, em células envelhecidas e em células onde a síntese era estacionária, a obstrução da síntese do DNA foi menor.

Estes fatos nos contam da possibilidade do Artepillin-C danificar menos as células normais (células em cultura), pois estas multiplicam-se em uma velocidade menor que as células cancerígenas. Ao passo que no caso de células de tumores malignos, que progridem com rapidez e têm facilidade de se espalhar, o Artepillin-C demostra um notável efeito de inibição, proporcional à rapidez de seus ciclos.

 
2. Experimento de controle de multiplicação do cancer em camundongos
 

Em paralelo aos experimentos acima realizados neste laboratório, realizamos o transplante de células tumorais em camundongos adultos. Para os transplantes foram utilizados: - células de origem humana, células de câncer de figado; de câncer de estomago; de câncer de pulmão; - e células de origem de camundongos - de câncer de colon; - e células de origem de ratazanas - de câncer de fígado.

Entre os camundongos que receberam transplantes, um grupo não recebeu Artepillin C. O outro, recebeu injeções de Artepillin C de 500µg em cada um, com um dia de intervalo, e observamos o andamento. Um exemplo dos resultados são exibidos nas fotos que seguem. (fotos 2 a 5)

Estes são camundongos que receberam transplantes de células de câncer de pulmão de origem humana. Nos camundongos do grupo que não receberam Artepillin C, as células tumorais multiplicaram-se formando uma protuberância, enquanto nos camundongos do grupo que receberia injeções de Artepillin C, o tumor se dividiu em pequenas protuberancias e não apresentou crescimento. (Fotos 2 e 3)

 
 

Foto 2:

      Foto 3:  


Camundongo sem pelo que recebeu um transplante de células de câncer de pulmão de origem humana       A injeção de Artepillin C neste tumor interrompeu seu crescimento.  
 
     
 
             
 
Nos camundongos que receberam a injeção de Artepillin-C durante o crescimento do tumor, o tumor após um certo tempo sofre necrose e cai. (Fotos 4 e 5)
 
  Foto 4:       Foto 5:  


Injeção de Artepillin C no tumor já crescido - necrose da maioria das células tumorais (parte escura).       Este tumor caiu - depois, formou-se um coágulo.  
 
     
 
             
 
O resultado da dissecação - O derretimento do núcleo da célula tumoral e a desnaturação por concentração (foto 6); A Fragmentação do núcleo (foto 7); A morte natural de pequenos grupos (foto 8);Solidificação e necrose em uma extensa área de um grande grupo (foto 9); demonstrando claramente o efeito inibidor da multiplicação de células em cada tumor.
 
  Foto 6:       Foto 7:  


Derretimento e desnaturação do núcleo       Núcleo em fragmentação  
 
     
 
             
 
  Foto 8 :       Foto 9 :  


Morte natural dos pequenos grupos de células tumorais.       Solidificação e necrose de grande grupo de células tumorais.  
 
     
 
             
 
3. O fenômeno da restauração da seção danificada
 
Há mais um ponto importante a enfatizar: no grupo que por um longo período recebeu injeções de Artepillin C, os linfócitos infiltram-se ao redor das células tumorais, e a envolvem com o colágeno da matriz extracelular, avançando na restauração da seção danificada pelo câncer (restauração da ferida) como mostram as fotos. (fotos 10 e 11)
 
 
Foto 10:
 
  Multiplicação dos colágenos, envolvendo as células cancerígenas
(Isolamento do câncer - indicado com asteriscos )
 
     
 
 
     
 
 
Foto 11:
 
 

Avanço na multiplicação do colágeno, devido à multiplicação de macrófagos e linfócitos (aumento da região indicada com "seta" na foto 10)

 
 
   
     
 
Através destes fatos, comprova-se que dependendo da dosagem, o Artepillin C, promovendo a multiplicação do colágeno, isola a célula tumoral em uma ilha de colágeno, impedindo sua multiplicação. Como resultado, é demonstrado que o organismo pode por um longo período conviver com o câncer.
Desta forma, aceitando o fato que o Artepillin C eliminou as células de câncer seletivamente, sem efeitos colaterais, e promoveu a restauração e isolamento das seções danificadas pelas células tumorais, aceitando os diversos efeitos anti-cancer confirmados, nós continuaremos através de vários outros ângulos, desenvolver e pesquisar em profundidade o Artepillin C.
 
- Tetsuo Kimoto -
 
1945 – Graduou-se pela Universidade de Okayama, Faculdade de Medicina
1954 – Obtenção do Título de Doutoramento de Medicina
1958 – De assistente torna-se palestrante do Departamento de Medicina da Universidade de Okayama
1962 a 1965 – Bolsa de estudos nos Estados Unidos (Laboratório do Rosewell Park Memorial ) Ao retornar assumiu a cadeira de professor assistente da Universidade de Okayama , Faculdade de Medicina.
1972 – Professor assistente da Universidade de Kawasaki, Faculdade de Medicina
1976 – Diretor do Centro de Cultura Organizada do Sistema Imunológico da Universidade de Kawasaki
1990 – Nomeado professor honorário da Universidade de Kawasaki, Faculdade de Medicina. Professor da Universidade de Profissionalização em Assistência Médica. Professor da Universidade de Profissionalização em Previdência Social e Assistência Médica.
1995 – Atualmente exerce a função de conselheiro da empresa Laboratório de Bioquímica Hayashibara S.A.
Artigo publicado na revista “Própolis Kenkou Tokuhon 1” da série “Ciencia da Saúde” volume 3, da Editora Touyou Igakusha, páginas 45~48 – Impresso em 1º de Dezembro de 2001.
 
Bioessens Limitada © Copyright 1994-2006 - Todos os direitos reservados
Bioessens Limitada - Phone: (+55 11) 4612-3885 - Rua Tomas Sepe, 320 - Jardim da Gloria - Cotia - SP - Brasil